Click here to listen to the Daily Zohar [audio:http://dailyzohar.com/wp-content/uploads/audio/dz1005.mp3|titles=Daily Zohar 1005]
Holy Zohar text. Daily Zohar -1005

Tikkun 70 – 110
(Continuação do DZ anterior)
Na lição anterior lemos uma história no Zohar sobre Rabbi Shimon e amigos que foram à casa da mãe de Rabbi Kruspedai. Ela preparou comida e velas para eles estudarem a Torah. Eles perceberam que ela não tinha conhecimento que seu filho falecera em outro lugar e eles não queriam contá-la e se tornarem a causa de sua morte que poderia vir de tão triste notícia.
Ela serviu comida e os encorajou a dizer palavras da Torah como uma parte importante da refeição. O estudo da durante a refeição e antes da bênção do alimento transforma a comida física em energia espiritual.
Com o estudo da Torah é um ato de alegria, não o é permitido em um lugar de tristeza, a não ser que seja sobre a alma.
Rabbi Shimon abre o estudo sobre a primeira palavra da Torah e nos revela novos aspectos.
Gênesis 1:1 ” בְּרֵאשִׁית, בָּרָא אֱלֹהִים, אֵת הַשָּׁמַיִם, וְאֵת הָאָרֶץ ” ” No princípio criou D’us os céus e a terra.” O Zohar nos conta que a palavra בְּרֵאשִׁית, “No princípio”, é o aspecto da alma que estava no útero materno, que é Binah, antes da criação dos mundos abaixo.
1:2 ” וְהָאָרֶץ, הָיְתָה תֹהוּ וָבֹהוּ, וְחֹשֶׁךְ, עַל-פְּנֵי תְהוֹם ” ” E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo”
Quando a criança nasce, ela está na escuridão e sem capacidade de ver o mundo à sua volta.
1:3 ” וַיֹּאמֶר אֱלֹהִים, יְהִי אוֹר; וַיְהִי-אוֹר” “E disse Deus: Haja luz; e houve luz. ”
Então a criança abre seus olhos e vê a luz neste mundo.
1:9 ” וַיֹּאמֶר אֱלֹהִים, יִקָּווּ הַמַּיִם מִתַּחַת הַשָּׁמַיִם אֶל-מָקוֹם אֶחָד, וְתֵרָאֶה, הַיַּבָּשָׁה” “E disse Deus: Ajuntem-se as águas debaixo dos céus num lugar; e apareça a porção seca.”
Quando a alma deixa o mundo, é o aspecto da junção das águas num lugar, deixando para trás a terra seca, que é um estado de ‘não vida’.
Quando a mãe de Rabbi Kruspedai escutou a discussão sobre a alma, ela entendeu que seu filho poderia não estar vivo. Ela contou a eles que as velas que normalmente acendia tinham mais brilho e gama de cores de luz, agora elas tinham esmaecido.
Rabbi Shimon e seus amigos saíram, mas a história continuou. Ela saiu, encontrou uma pomba e amarrou palavras sagradas nela, da história do Dilúvio e da pomba de Noé, para que fosse verificar se seu filho estava vivo ou morto. A pomba voltou à noite puxando suas asas e cavando um buraco como um túmulo. A mãe viu aquilo, gritou com dor e sua alma deixou o mundo.

The resting place of Rabbi Kruspedai[frame type=”raised”]http://dailyzohar.com/wp-content/uploads/2012/09/kruspedai.jpg[/frame]

Rabbi Kruspedai foi uma alma elevada e uma grande e justa pessoa, que a luz que ele revelou não tinha fronteiras. Sua mãe podia dizer sobre sobre seu filho, da luz das velas que ela acendeu.
O Zohar cita na porção de Shelach lecha que Rabbi Kruspedai foi um grande canal à Sefirah de Yessod e ele se foi para ler a Torah apenas para a Sexta leitura (Yessod) do Shabbat .
Nós estamos longe de sermos pessoas justas como Rabbi Kruspedai, mas devemos lembrar que nossas almas tem a capacidade de brilhar em distâncias maiores que podemos imaginar. Todas nossas ações devem ser puras, mesmo que elas aconteçam a portas fechadas.
{||}

traduzido por Denis Schaefer